segunda-feira, junho 04, 2007

Filme de terror

tenho medo de dentista
tenho medo da fragilidade
tenho medo da certeza
tenho medo da independência
tenho medo de ser mal entendida
tenho medo da primeira, da segunda, da terceira impressão
tenho medo da minha carência escorrer como suor pelos poros
tenho medo da música parar de tocar e eu parar de dançar

Deixar a solidão para longe tão longe que nem te vê, nem sente, sente só a alma preenchida pela música sem luz, carinho no escurinho, ninguém te toca, ninguém te aflige, ninguém te alcança.

ai eu penso

se tiver medo, não terei nada para fazer

aí mando o medo se fuder

Marcadores: ,

5 Comments:

Blogger Tiago said...

manda se fuder com a boca cheia. assim que é bom. gostei.

10:50 PM  
Anonymous F. J. said...

E o medo do medo?

Gostei do seu blog e linkei...

3:19 PM  
Blogger photographie said...

medo de dentista!

12:19 PM  
Blogger PENSAMENTOS VADIOS said...

Renata,

pois é, este tal de medo já fez tantas vítimas... domá-lo é muito mais importante que não tê-lo.

*estava com medo de fazer este comentário.

sem medo de ser feliz,

sérgio vaz
Cooperifa

10:31 AM  
Blogger poupéezinha said...

Medo medo medo...
Ao mesmo tempo, nada mais sensato do que sucumbir às fragilidades, medo do caralho todo, de errar, de acertar, de se permitir, bloquear, amargar.
Doer, machucar.. essa não-linearidade me acorda à realidade.
Bjoo!!

7:51 PM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home