segunda-feira, fevereiro 26, 2007

"Quantas danças interrompidas pelo estampido clarão do dia que entra sem se importar com o que há pouco acontecia, poesia. Ah, poesia.

Aquela que faz o mundo rodar na velocidade da mente, das pernas que não encontram um local apenas

fixo não é adjetivo, substantivo, é impositivo.

No ritmo sai andando à procura de uma cadência, um forfé

brasileiro, estrangeiro, corriqueiro, verdadeiro, universal e prazeroso. "

(adaptação de escritos de 18.07.99)


Páginas do primeiro caderno, feito em 99 para o mesmo destino, acompanharam essa viagem, outro trajeto. Um novo pequeno caderno acompanhou-a e trouxe de volta a vida.


0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home